domingo, 22 de dezembro de 2019

Lendas brasileiras de origem africana

 Todas as letras neste blog são de Angela Cacicedo
XANGÔ
Xangô meu pai poderoso
olha as minhas aflições
que já morri muitas vezes
muitas vezes renasci,
e com teu axé formoso
milhões de lutas venci.

Já rastejei feito cobra
entre as garras do leão.
Já andei na corda bamba,
já passei de maão em mão.
Atropelei o meu samba
e no final da manobra
eu dei de cara no chão.

Tem dois lados o machado
dois olhos tem o falcão.
Mas o traço do riscado
é que marca a posição.

Capitão vira soldado
e vassalo vira rei.
É pra ver que o destronado
assim trocando de lado
percebe a força da lei.

Xangô envia teu raio
de justiça reluzente,
acerta logo no alvo
bota a verdade de frente.


IBEJI
Olha pra mim meu irmão
nisso não há mal algum;
um dia nascemos dois
mas no fundo somos um.

Eu sou teu braço direito
que vive meio quebrado,
Outrora foi perfeito
mas por força do destino
carece de graça e tino,
muitas vezes renegado.

Tu és o meu outro braço,
o que vai do ombro ao chão
e pode abraçar no espaço
toda essa geração.

Gira a roda da fortuna
para ver o que contém,
se é caça de borduna
ou assado de moquém.

Vamos juntos meu irmão
eu trago a prosperidade,
firmes e com razão
não  viver pela metade...

Se é manifesto o destino,
ele não é permanente.
Erê axé de menino
vai reverter a corrente!
 Erê axé de menino
vai reverter a corrente.



OXALÁ
Lavei minh´alma na fonte
das águas de Oxalá
e  o inferno de Caronte
esse ficou por lá.

Lavei com ervas de cheiro
pra benzer meu orixá
e no ponto do terreiro
o futuro que virá.

lavei as mãos com arruda
os cabelos  com alecrim
e o carrego que afunda
ficou bem longe de mim.

Oxaguian é beleza
corajoso, homem forte,
mestre da natureza,
portador de boa sorte.

Oxalufan é idoso,
sábio rei coroado,
de cerne generoso
lá  no Bonfim adorado.

O divino não tem forma
e o bem não tem idade;
existe só uma norma
a própria felicidade.


OXUNMARÉ
Olódùmaré tem problema de vista:
nuvem difusa pista irregular.
Que vale um deus que não pode ver?
Um pai ausente, um rei vidente
sem coroa nem lar?

Olódùmaré chama Oxunmaré:
meu bom amigo venha me curar.
Oxunmaré chega bem contente:
Aô Moboi! Aô Moboi! Aô Moboi!
Não chora porque não dói.

Que todo mal tem um lado fraco
que o lado forte pode derrotar.
O debaixo agora vai pra cima
e o de cima volta pro lugar.

Felicidade Olódùmaré sorri.
Só o amor faz tudo mudar.

Oxunmaré vai morar no céu,
que são os olhos do poder do mar.
Espelha as águas em feixes de luz
e o arco-íris a irradiar.


NANÃ
Os tambores falam
que antes de você e eu,
entre neblinas cambiantes
morava uma deusa  orante
rainha do pantanal.

Seu vulto é o que se vê
e o rasto que se perde
na caverna natural.

E nessas águas profundas
mergulho meu padecer
à procura de Nanã
 Nanã  Nanã Burokê.


]Ela me olha de frente
e depois vira de lado.
Não posso crer que o menino
embaralhou o critério,.
Sim existe amor eterno
Mas toda arte tem mistério.

Tem pena, velha tem pena,
desse coração perdido,
que um dia foi amado,
mas anda desnorteado,
e o pio mocho condena.
Tem pena, velha, tem pena:
me benze com o teu cajado...


TUTU MORINGA
Vê aquele negro triste
que chora à mesa do bar?
Ele perdeu seus meninos
e disso não quer falar.

Vendido à meia-pataca
num estrado junto ao cais,
levou sinete de marca
que não se apaga jamais.

Trocado num orfanato,
quando um dia ele sumiu,
foi por causa do contrato
que o patrão exigiu.

Levado  numa corrente
de cordão de carnaval,
que arrasta muita gente
que se acredita imortal.

Caçado na noite fria
pela tropa regular;
disso ele não sabia
nem podia imaginar.

Queimado frito num ninho
por um sonho de revés,
que enrolou  de espinho
o ouro feito nos pés.

Olhos d´água negro pinga
Lamenta tutu-moringa
remoendo a solidão.
Gente humilde não se vinga
porque tem bom coração.













sábado, 21 de dezembro de 2019

Lendas brasileiras de origem indígena

GÊMEOS KAINGANG      - melodia de Yure Henrique Silva (cantor)
Vieram da cor de terra
com a luz da proteção
de um buraco na serra
mistério da Criação.

Na tribo dos Kaingangs
nasceram um dia de fé
os gêmeos irmãos de sangue
kanyerú e Kamé.

Kanyerú o primeiro
era magro em aparência
tinha o passo bem ligeiro
mas de pouca persistência.

Criou a pele manchada
dos seres da natureza,
sardentos cobra pintada
orquídea flor de princesa.

Logo depois surgiu Kamé (Kamé...)
Era do tipo gordinho,
e com prudência no pé
andava bem de mansinho.

Tudo riscado que há
criou Kamé lentamente
onça anta gambá
e o bicho tamanduá...

Tudo é duplo neste mundo
tudo tem sua maré
o direito tem esquerdo,
Kanyerú tem Kamé,
que nunca teve pajé
nem guru nem presidente,
só amoroso axé
de coração inocente.

( Kamé Kanyerú Kamé kanyerú Kanyerú Kamé...)


https://drive.google.com/file/d/1-BrBfCEQmsvH3szp4qkmEVqmtcYrWona/view?usp=sharing



ÀRVORE DE UANSQUÈM
Dá toda sorte de fruta
na árvore de Uansquém
tem cajá tem carambola
abacaxi graviola
e sapoti também tem.

O guabiru já sabia
essa planta é encantada;
a floração vai surgindo
cada qual por temporada.

Quando o povo descobriu
incitou a derrubada;
comeram as frutas verdes
e não sobrou quase nada...

Uansquém ficou tão triste
sem saber o que faria...
Falou semente na terra
é cuidado noite e dia.

E de agora em diante
cada broto que nascer
terá distinta qualidade,
e crescerá se chover,
se semear e colher,
laborar a humanidade.

Adeus árvore encantada
vão os campos florescer
e o povo agradecer
se quiser fazer salada.

BAHIRA
Bahira é grande chefe
da tribo Kaiowá
.Vê segredos na floresta
o que veio, o que não veio,
o que foi o que será.

Do outro lado do rio
mora uma tribo pesqueira.
Têm boas flechas de pau
e pontaria certeira.

Bahira quer aprender
a pescar dessa maneira.
Tece quatro esteiras leves,
um cesto em forma de peixe
com as folhas da palmeira.

Logo que o dia amanhece
mergulha na corredeira:
vestindo o peixe disfarce
escondido bem no meio.
O povo acerta Bahira
com rapidez boa mira.

De volta à sua maloca
recolhe o saber alheio,.
Estuda ensina retoca
as flechas bem afiadas
que ele copia o ponteio.

OH!Que fartura se vê
na hora da pescaria!
Tambaqui corvina perequê
assado moqueca pirão.
Nunca houve ou haverá
na nação Kaiowá
um chefe como Bahira!
Nunca houve ou haverá
na nação Kaiowá
um chefe como Bahira!

ORIGEM DOS KARAJÁS
Com poder e magia
trabalhou o Criador
e fez a terra do nada
com o sopro do seu amor.

Derramou sobre as montanhas
cabaças de água doce,
e fez sair das entranhas
as plantas da superfície,
os cabelos da planície.

E, se muito pouco fosse
criou os animais
para que fossem eternos
fraternos com os demais.

Mas os peixes aruanã
queriam ser outra espécie
pra caminhar sobre a terra
subir e descer a serra
dormir acordar de manhã...

O desejo coletivo
num processo alternativo
na terra dos karajás
gerou a humanidade,
há muito tempo atrás.

Se ela travou a eternidade,
e dispensou o paraíso,
nunca perdeu o juízo
busca a felicidade.

Que retornará um dia,
obra e força da energia,
do alinhamento sutil
que liberta e justifica
as tribos desse Brasil.


O PIRARUCU
Sinto cheiro de fumaça.
Bebo o caxiri da paz
que o tuxaua Ariá
da Amazônia nos traz.

Quando nasceu Inaiê,
netinho de Ariá,
disse trará riqueza e fartura,
no Grande Rio reinará.

Cresceu Inaiê valente,
e gostava de nadar.
Mas de além-mar veio gente
pra tomar posse da terra
que era o berço da raça.
Sinto cheiro de fumaça,
sinto cheiro de fumaça.

Falou Inaiê: " Nem morto!
Terra rica em ouro e prata,
níquel nióbio hematita,
embaixo jaz o conforto,
mas em cima cresce a vida!"
Manaus manaus manaus manaus
Manaus manaus manaus manaus

Lutou por anos sem trégua,
mas foi no peito ferido,
pulou no rio que teve
o espelho d´água tingido.
Daquele leito vermelho
surgiu o pirarucu,
nosso peixe bacalhau,
mais suave e saboroso
que o xará de Portugal.


A CRIAÇÃO DO HOMEM NO ALTO XINGU
Tsinim vivia sozinho
assim assim no seu cantinho
mas sempre na esperança
de ter família e festança.

Tsinim foi caçar no mato,
e encontrou uma onça
que era macho de fato,
com poder de pajelança.

O onça falou: Tsinim
você tão jovem tão novo
experimenta...
Corta troncos de madeira,
neles passa pimenta,
pinta enfeita põe cocar,
que quando o dia raiar
você terá o seu povo!

Cortou caninã vermelho,
mas nisso errou o conselho.
Só quando usou o cuarupe
é que nasceu sua trupe.

Os troncos viraram gente,
e a gente virou parente,
Tsinim casou muitas vezes
Huká-huká-huká- huká
Gu-gu-gu-gu.
Dança compete disputa,
e no Xingu são felizes!


LENDA DO MILHO
Numa noite de luar
desceu do céu foi amar
um guerreiro solitário.
Candiê -cuéi estrela feminina
antes de nascer o sol
disse agora vou embora;
vejo surgir a aurora.

Mas o zeloso rapaz
pôs a moça num porongo,
fechou a cabaça,
e foi em busca de caça,
que o dia seria longo...

De volta, à tardinha,
disse luz estrela minha
vem morar com esse guerreiro,
e soltou-a no terreiro.

Candiê-cuéi deu à sogra
sementes de milho seco
pra cultivar no quintal,
fazer curau papa doce
 pamonha e mingau.

E se ficar amarelo
moer farinha e farelo
pra assar broa de milho,
na maloca comer pipoca!


BEP=KOROROTI (herói civilizador)
Caiu uma bola de fogo
na aldeia Kaiapó.
Dela saiu um ser
de couro duro de ver,
esse tipo era cotó.

Será um tamanduá(sem rabo?)
será serpente ou jaguar
será ave ou será gente?

Guerreiros em prontidão
atacaram de bastão,
mas nenhum mal lhe faziam.

Quando o sol aparecia
tirava a pele o estranho,
deixava à beira do rio,
fosse calor fosse frio
ele tomava banho....

Só então se descobriu
era um homem diferente,
que sabia muitas coisas
e ensinava pra gente.
A secar a mandioca
sem usar  o tipiti,
a tirar bicho da toca,
viva Bep-kororoti!
Viva Bep-kororoti!
Viva Bep-kororoti!

Um dia voltou pro céu,
num salto de fogaréu.
Assim fala o bem-te-vi.














Lenda de origem portuguesa

ORQUÌDEA  REAL

Conheci uma princesa
que veio de Portugal
e me contou uma história
que acho muito legal.

As flores da natureza
podem ter explicação:
a orquídea foi rainha
na casa de D. João.

Ela teve duas filhas
do primeiro casamento,
mas casou-se outra vez,
e mudou o sentimento.

Nasceram mais raparigas
que disputavam o trono,
por causa de tantas brigas
a corte perdeu o sono.

Hoje a família real
já se vê organizada.
Rainha no trono central,
e a querela encerrada.

As herdeiras preferidas
uma de cada lado
abrem pétalas erguidas,
elas despertam amores,
entre perfumes e cores
são a glória do reinado.

As princesas rejeitadas
olham pra baixo cansadas,
são as pétalas pequenas
que se vê a duras penas
no orquidário fechado...





quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

Música Popular Brasileira


Câmara clara

Rolei teu rosto no Face
para ver tua mensagem
mas o retrato que vi
era o reverso da imagem

Câmara clara
foco no centro
dispara

Viagem fim de semana
praia boite chopinho.
Está bem acompanhado
mas no fundo está sozinho.

Abraça pela metade,
beija agora sem paixão.
Aceita conselho errado
e muda de opinião.

Câmara clara
foco no centro
dispara

Roupa de marca ostenta
para ser admirado.
Nem por um instante tenta
repensar esse mercado.

Fala demais
nada fala
a moldura e o retrato;
é paisagem desfocada
produção equivocada
pano de boca teatro.

Câmara clara
foco no centro
dispara.

ROBOT MAGNETE

Estou assim de passagem
na porta do elevador;
se você sobe eu desço
imã contrário pendor.

Pra onde vai toda gente
que vaza pelo metrô,
sou elo dessa corrente
introjetei o robot.

Entro numa instalação
de projeto circular,
se vou indo estou voltando
passo no mesmo lugar.

Esburaquei a verdade
meti a mão lá no fundo;
pergunto mas não respondo
sou desse mundo ou não sou,
no dialeto do brio
ouço discurso vazio,
até guru posta show.

Pra onde vai toda gente
que vaza pelo metrô
sou elo dessa corrente
introjetei o robot.

Subi numa torre alta
pra lhe falar do meu oi,
mas sua imagem vagava
sem me dizer onde foi....

BRASILEIRO DE FERRO

TOIM TIM TOIM TIM TOIM TIM TOIM TIM
Sou rocha
sou pedra branca
negro Itacolomi;
já vomitei muito ouro
e o ferro guardo pra mim.

TOIM TIM TOIM TIM TOIM TIM TOIM TIM
Sou ferro
não sou ferrado
sou forte sou resistente,
pulo de lado no bote
quando me vejo acuado.

TOIM TIM TOIM TIM TOIM TIM TOIM TIM
Sou cobre
não sou cobreiro
tipo à toa desordeiro
Cuspo fora o inimigo
seguro o rabo da cobra
e quero ver o que sobra...

TOIM TIM TOIM TIM TOIM TIM TOIM TIM
Sou febre que dá suor
sou quente sou persistente,
e pra evitar o pior
eu meto o braço na frente....

YOIM YIM YOIM TIM TOIM TIM TOIM TIM
Sou frio
não sou canalha
Moldo o fio da navalha;
na água doce me crio
e no fogo da fornalha....

TOIM TIM TOIM TIM TOIM TIM TOIM TIM
Sou fino
não sou cretino;
e tenho nervos de aço
calculo bem o que faço
pra melhorar o destino.

TOIM TIM TOIM TIM TOIM TIM TOIM TIM
Mineral estou no sangue
de todo tipo normal,
e caso disso se zangue...
Sem ferro o ar passa mal!


TRANSPARÊNCIA         -melodia de Ronaldo Valentim (cantor)
Tanta transparência
atravessa  o meu olhar.
 No espaço de agora
quem chega  não demora
quem demora quer ficar.

De dentro vejo lá fora
o teu sorriso passageiro,
desce a escada ligeiro,
acena e diz:
vou embora.

O meu trajeto de vida
não tem mapa
nem direção que escapa
pela porta de saída....

Vale saber ainda sou
muito além da maquiagem;
Se o sentimento mudou,
anota outra mensagem.

Nada se perde nesse  mundo,
muda apenas de lugar.
Até um corte profundo
pode se regenerar.

O meu trajeto de vida
não tem mapa
nem direção que escapa
pela porta de saída..



FALSOS ÍDOLOS
No  cinema corre o drama.
A platéia se diverte,
e depois muda o programa.
Celebridades e deuses
alavancam seguidores,
por eles matam e morrem,
e logo trocam de amores.

Idolatria incomoda
é top de moda                 BIS
do senso geral.

A Orfeu foi confiado
mistério da criação
que nesta terra prospera
em busca de evolução.

Não é trato de poeta
na vida tomar partido;
um pedaço separado
do todo não faz sentido.

Idolatria incomoda
é top de moda                     BIS
do senso geral.

Cada um tem sua crença
presença ideia e mito.
Da tela tomar distância,
em busca da tolerância
amenizar o conflito.

Olhar as flores do campo
com a luz fechar compromisso.
Claridade afasta três males:
o medo a mentira o feitiço.

SANTANDER
A Virgen del Mar que protege
as praias de Santander
desembaraça o destino,
mas não frequenta o cassino
para o que der e vier.

San Emeter Celedonio        BIS
tradiçãso e patrimônio.

Antiga vila mui sábia
jóia pura da Cantábria,
corazon de Altamira
na grota que se admira
a multitude de rotas
do valoroso ancestral,
que já peitou muito touro
e encantou muito mouro
no ciclo medieval.

San Emeter Celedonio          BIS
tradição e patrimônio

Hoje canta com a sereia
e comemora na areia
na praia da Magdalena
muita paz e vida plena.
Flor do Passeo Pereda
o porto e a alameda.....
Visite assim que puder....
Santander
Santander...
Santander!

SANTIAGO
De dia vi Santiago
com lápis e papel
carvão e pincel.
Fazia retrato
de preço barato,
mas cópia fiel!

Artista, copista, ou vendedor?
Artista copista, ou sonhador?

De tarde vi Santiago
no largo, na tenda;
um rosto expressivo
no espaço da venda.

Artista, copista ou vendedor?
Artista copista ou retratista?

Sorriso bem vivo
que atrai e seduz.
De noite vi Santiago
debaixo da ponte,
debaixo da luz.
Artista, copista ou vendedor?
Tomara que um dia te dêem valor....

SARITA
Nasceu a menina Vera
filhota da Conceição.
Era Lucia dos caminhos
mas por força e desatino
e curvas da contra mão
virou Sarita e habita
come e dorme no chão.

Casa ela tem (não se engane):
um barraco na favela;
mas um dia sem aviso
cortaram a água dela.
Pra rua foi a Sarita
gira o mundo na rasteira
vende troca manobra
a fome a luta a canseira.

No jardim de todo mundo
lá tem água na torneira;
folhas de verde castanho
pombos sujos na soleira
do coreto pavilhão;
toda água lá deságua
no fosso da podridão.

Mas é feliz a Sarita
com as flores do jardim;
tem amigos tem conversa,
tem ladainha de crente
samba amores tamborim
e intervalos da mente.

Ora chegam ora partem
o sarcasmo o riso a peia,
e tudo muda de nome
na roda da vida alheia.
A fraca mão que segura
a clava o escudo o bordão
solta acaba de repente
rico pobre ninguém dura,
pó de terra tudo cobre
até mesmo a solidão.

Fosse vidente a Sarita
veria a corda sem fim
que ata desata aperta
as pedras desse jardim.....

PARIS
O que buscar em Paris?
Novidades de butique
Humorista quase chique
ou desenhos de Lalique?

O que buscar em Paris?
Les ébenistes pintores
impressionistas de flores
les ateliers découpage
Mosaico tela marouflage
ou l´enfant des passages?

O que buscar em Paris?
Edith Piaf Aznavour
grandioso Pompidou
moda sabores bijoux
Les bouquenistes do Sena
textos rimas vale a pena
gente alegre pra chuchu.


MUNDOS SUTIS
Flores da vida renascem
em cascatas virtuais
que o eterno presente
abre em jogos factrais.

Ramos comunicantes
atravessam dimensões
em correntes radiantes
astros estrelas aos milhões.

Agora é tempo de paz
delicadeza que traz
beleza perfume cor.

Oh¹ Vigilante condor
que voa em espirais
acorda as criaturas
avisa lá das alturas
aos olhos do Criador
os homens vão querer mais.

E no jardim fechado
do labirinto sai
aquele que pelo instinto
vai tecendo coligado
nas interfaces do amor....

Agora é tempo de paz
delicadeza que traz
perfume beleza cor.


ALFINETE
Alfinetei o teu ego
só pra baixar o tom.
Nem tudo que acende é belo,
nem tudo que é belo é bom.

Nos sismos sopra o vento
do norte passageiro;
das nuvens o movimento
às vezes
esconde o sol por inteiro.

A sorte
não segura a fama
fluxo e refluxo
derrama.

Sem mágoa
na superfície da água
narciso olha o espelho.
Essa flor crepuscular
abre sempre pela tarde;
enquanto a noite espera
o dia passa sem alarde...

Não seja o caso  -- se for
encantamento fugaz,
mas o profundo vigor
de manter e recriar
perene luz acender
descobre se és capaz!

SILÊNCIO
Havia no Antigo Egito
um deus bem particular.
Era o deus do Silêncio
na forma de não pensar.

Entre as notas musicais
dorme esse deus tranquilo
que dispensa rituais
oferendas falso brilho.

Amor, para o Silêncio
basta ser, não falar nada,
e a cada passo da dança,
avança, na paz, amada.

Tantos trajetos perdidos
enganos esquecidos
que o Tempo dispersou.
Ouça, o Silêncio e o Tempo
são dois amigos mestiços:
enquanto o Silêncio cala,
o Tempo faz rebuliços....

VIZINHOS
Estou por dentro
estou fora
agora escuto quem chora
no apartamento ao lado.

Será um homem falido
que engole sua ambição?
Quiçá um sujeito honesto
depois de muito protesto
decai cruel rendição?...

Disfarça agora de costas
e as fraturas expostas
desenham novas costuras

Será lamento de pai
de tanto argumento vai
pingando gotas no chão
Talvez um sistema gasto
de difícil progressão;
imagem que se repete
desamor ingratidão

Disfarça agora de costas
e as fraturas expostas
desenham novas costuras

Vou quebrar o muro
pra te dar a mão
e pela parede
passar uma rede
de pura amizade.
À noite dorme a cidade
lanço uma luz no escuro...

NATAL
É Natal.
A fada azul
sacode o manto
de estrelas
sobre a cidade.

As crianças sonham
árvores de possíveis
frutos gigantes.
As flores sorriem,
as folhas cantam baixinho,
e as raízes dançam sob a terra.

É Natal.
A fada azul
sacode o manto
de estrelas
sobre a cidade.

Por cima dos telhados
passa um vento-cola brincalhão
e prende as estrelinhas
]no desenho
de mil formas reinventadas.
Assim
os olhos das crianças
ficam brilhando no céu.

É Natal.
A fada azul
sacode o manto
de estrelas
sobre a cidade.

Num planeta distante
um ser bondoso
tudo vê...
Bate palmas,
e sorri.

COMETA RISONHO
Cometa risonho
semente de sonho
 abrigo de estrada sem fim.

Espiral aberta
trajetória incerta
que leva consigo
boreal passagem.
Na curva do vento
sem dor, sem lamento,
ardente miragem
de flor de jasmim;
forma e deforma
a cor da paisagem....

Cometa risonho
abrigo de água sem fim,
onda curva aberta
que leva consigo
semente de sonho
da planta da paz.
Velas vão ao vento
todo sofrimento
fica para trás:
um anjo desperta
num voo de momento.

PALAVRA
Procuro-te
Procuro-te
Procuro-te:
Nas marcas das mãos,
nas linhas, nos vãos,
papel e poeira,
página virada,
indelével.


Palavra perdida         BIS
nas lidas da vida.

Procuro-te:
a meio palmo,
a meio pano,
coberta de cera,
intocada.

Palavra guardada    BIS
da honra firmada.

Nas somas dos erros,
no til dos segredos
em vozes caladas,
a chama extinta,
rasurada.

Palavra banida           BIS
da dor esquecida.

No canto da boca.
deformada.
Na ponta do lápis
compasso de espera
intangível.

Palavra suspensa      BIS
no tempo parada.

O limite desintegra
e some.
Alcanço-te:
inesperada!



ORIGAMES
Algum sintoma me diz
pra desdobrar o reverso
do verso que se calou.

Dobrou-se no parapeito
estreito de uma janela,
cortina de solidão
e a vida que sai por ela.
Ruas de mapa trocado,
trajeto sem diretriz,
foi no arame farpado
que meu sentido afinado
rasgou e fez cicatriz.

Naquela mesa de bar
dobrei o jogo de aposta;
nem precisei perguntar
pois já sabia a resposta.

Hoje nosso origami
é ausente de presente:
não acumula o passado,
nem antecipa o futuro.
É nesse colchão tão duro...
que dorme o sonho da gente.

OLHOS AMARELOS
Os teus olhos amarelos
mergulham paralelos
em meu espaço curvo.
Indagam da saga triste
opaca de brilho turvo.

Responde a pedra do sal
o sangue ainda circula
escorre e cheira mal.

E, se cavar mais fundo
vai chegar em outro mundo
onde raízes gigantes
arrastam cipós correntes
e a gente...AH! minha gente morre
entre heróis e atlantes.

Os teus olhos amarelos
fazem tremer meu coração,
mantém minh´alma cativa,
névoa e sombra embaçam
a objetiva.

FRESTINHA

Saí olhando nas fendas      ( voz masculina)
na casca fina do piso
por onde passam as lendas,
o eco o assombro o riso.

Botei vestido vermelho       (voz feminina)
de estamparia tribal,
e fui dar uma voltinha
lá pros lados da Central,

Toquei pra escadaria,
mas parei admirada
pois um distinto fulano
ia subir por engano
a escada que descia...
Deu de mão e contra mão,     
cuidado olha pro chão...
Escapuli  na frestinha,

Dizem destino não há..    (voz masculina)
cantou em  iorubá
banto talvez malês,
o carioca africano
não falava português.

Cai não cai,          (vozes m e f)
segura o tombo
ai ai ai...
(
Eu tinha uma figa de pau       ( voz feminina)
no colar balangandã,
mas tropecei no vazio,
embolei fio no fio,
na corda do berimbau
do atabaque o tan tan.

No território da Lapa       ( voz masculina)
nenhuma garota escapa
de uma jogada coringa...
Um moço tira o chapéu,
um samba de léu em léu.
Volta aqui chega pra cá
quem não pode com a mandinga
não carregue patuá.

Cai não cai,     (vozes m e f)
segura o tombo
ai ai ai...



DAGENHAM
Em Dagenham deixei meu coração
com o santo da Utopia
que a vida dos imigrantes
vela protege vigia.

Nos braços da indiana
que levitava a cantar
mantras do paraíso
além do espaço do ar.

No colo da mãe africana
filha da Virgem Maria
alegre fecundo e quente
...um sol...
que cobre o solo devagar
da manhãzinha ao poente
naquela terra tão fria...

Na ilha  do dia anterior
lá ficou o meu amor....

No perfume da nina árabe
de discreto caminhar
mirra almíscar floral
vai pelo parque passeia
no vento do litoral.

Na ilha do dia anterior
lá ficou o  meu amor...

Nas mãos talvez quem sabe
búlgaras russas chinesas
turcas romenas inglesas
que os mares e a lua cheia
colorem de azul turquesa.

Na ilha do dia anterior
lá ficou o meu amor
entre mulheres valentes
que cultivam as sementes
de um futuro promissor.


O  JANTAR
Éramos três mulheres
que te  queriam tão bem
cada qual no seu lugar,
no lugar que lhe convém.

Sob o Jardim das Delícias
de delícias se falou;
do vinho do seu bouquet,
do sabor e do porque
do requinte à boa mesa,
do arroz da sobremesa,
das artes e das notícias.

Caro amigo esse jantar
entre o céu e o inferno
foi tão doce foi tão terno
que eu me vejo a recordar...

Das amarguras contidas
não se falou proibido
da sorte do partido
do futuro e do passado,
do ciúme disfarçado
provou-se entre as mordidas.

Uma boa amizade
vale mais que um amor,
vale o que vale uma flor:
desabrocha perfuma alegra
depois fenece sem dor.

SETE PEDRAS DE MARGATE
Aguá azul de coralinas
brancascatas de ondinas,
soladopé de solidéu
e nuventosas no céu.

Aguardentinas geladas,
salgadas redondinas,
salamelenas pequenas:
maravilhinhas marinhas....

Desdentes tubarolantes,
transparentivas salivas,
caracolentos gestantes,
brincadeirinhas amenas.

Borbolhudas gorgulhosas,
sorvetentes arenosas,
abissais pérolalindas,
papos de anjos prosas.

Alvacostas de concheias.
leitosuras ensereias,
brancuras de puro deleite:
sete pedras de Margate.

Leveduras que o mar
tem prazer de modelar...

BAOBÁ
Vou morar no baobá
careço da companhia
daquele povo de lá,

Por dentro todo verdinho
ele é auto sustentável,
com energia solar
e calorzinho agradável.

A flor branca perfumada
duplo tipo hermafrodita
cedo atrai a passarada
e agradece a visita.

Grossas raízes sugarão
as águas da temporada,
quando chegar o verão
não precisarei de nada.

Vou morar no baobá
careço da companhia
daquele povo de lá.

Se quiser fazer paçoca
triturarei as sementes,
e no buraco da toca
sucos e molhos ardentes.

Dos frutos farei um doce
do doce farei geleia,
vou contratar a rainha
e agitar a colmeia.

Abelhas trabalhadoras
garantirão a cozinha,
e as cigarras cantoras
serão alegres vizinhas.

Aranhas afastarão
os insetos importunos,
e os morcegos serão
os visitantes noturnos.

Vou morar no baobá
careço da companhia
daquele povo de lá.

Caso ficar doente
remédio farei das folhas,
permitirei à serpente
fazer melhores escolhas...

E se lá eu encontrar
um ancestral renitente
serei parceiro de lar,
silencioso e contente.

JANTAR BRASILEIRO (DO SÉC. XX)
 Na casa grande a ceia
do casal português
Debret volta e meia
olhava e pintava
por gosto e mercês.

Repasto frugal
com carnes e aves
água de moringa
um pouco de pinga
do canavial.

Pra tirar o calor
cunhã empunhava
 o abanador.
Negrinhos suaves 
catavam migalhas
daquele esplendor.

Debret não sabia
Xangô não dormia
o sono ancestral:
lutou e venceu
metade do mal.

Cunhã tem salário
marido operário
com muito louvor.
E pra fazer vento
afastar mosquito
e bicho esquisito
liga o barulhento 
ventilador.

Justiça ainda é pouca
nesta Terra louca
Debret não sabia
toda a fidalguia
ainda faria
muito desamor.

Mas Xangõ não deita
seu duplo machado:
na sombra espreita
o justo e o injusto
que na via estreita
colhe o resultado!




















segunda-feira, 10 de outubro de 2016

SENDA INTERIOR




Progrma para Jogral                              
Vozes:
F=feminina
M=masculina
T=todos
C=cantando
SENDA INTERIOR
Inconsciente            F1
Ciente

Pressinto             F2
Sinto

Onírico          T
Anímico

Proponho        T
Sonho

Centelha velha    F1
Revivo

No olho miro        F2
Mergulho

Arrisco no disco              T
O cisco
Dentro do centro       
Sumo

Na ponta desponta      F1
O passo

Com passo transpasso     F2
Posso

No ponto contorno    T
Um tanto

Ao torno retorno     T
Encanto

Retiro o barro            M1
Da terra

Enterro o berro    F1
Da fera

Atômica esfinge     T
Esfera atônita

No sol solto     F1
Salto

Espelho vermelho    F2
Malho

No fogo forjo           M1
O fio

Da lida           T
Vontade
Vida

Insisto no mito           F1
Instinto

Plano pleno             F2
Vital

Caverna interna        F1
Eterna    

Amorfa forma             F2
De amor

Viajo no vento      M2
Invento

Viração vira     F1
Ação

O traço no espaço     M1

O lenço no espaço      F1

No espaço do lenço      TC
O traço

Traduzo a sombra   F1
Na luz  

Relevo revelo     F2
Enlevo

Talhe detalhe entalhe             T
Corte curto
Fundo fecundo

Jogral Juno grafo    F1

Lavo favo solvo    M1

Cantiga antiga conto        F1

Sêmen  seiva semente     M2

O louco grita     T
Na cripta

Vento  lamento  unguento      F2

E o argumento ¿  M1
-- Oposto.

Mitose mestiça atiça        F1

Roça raça  arruaça      F2

Inclina aclima         T
Une desune

O mapa da mão      F1
Palmeia

Cantares palmares altares    F2

Alma malva       F1
Move remove      

O rio simula  os rastros      M1
Remos ramos e restos      

O barco emborca             T

Barqueiro arranca    F1
do peito
    
O medo ordeiro    F2
carranca

Desfaz lema tema e sistema  M2
Refaz rumo prumo e sumo

Suspende a pena        T

Mostro os nós   F1
Dentro de nós

Exame cordame vexame   F2

Sibilas tecem fibrilas      F1 e F2
Fazem apelos
Trançam novelos
Sem fim

Passam a ferro   M1 M2 e M3
O passado
Presente   
Ser latente

Na roça o rojão   F1 C
Rói

Roldana roda    F2C
Retalhos

Tecidos de fibras vis    T
Servis

Fiapos farrapos     M e M2

Farpas afiadas      F1 e F2

Toca o canto no canto     M1
Da boca oca

Toca a sirene        F1
Sereia

A lança na dança nova       F1

Ova sova avança          F2

Lua livre       F1

Luta aclive      F2

O berço oculto    F1 C
Miragem

O braço destro     M1
Coragem

Sândalo peroba pinho      F1

Corola coroa ninho       M1 e M2

Favo de mel       F1C

Abusa lambuza    F2C

Musa de véu      F1C

Mágica  mística      F2C

Confusa... cafuza...     TC
Selva ilógica !  
Segunda parte
Onisciente ciente       F1

Pressinto sinto           F3

Onírico anímico     T
Proponho sonho

Centelha velha    F1
Revivo vivo

Na selva silva     F3
Mergulho

Dentro do centro sumo     T ( repete 2 vezes)

Silva a serpente     M1
De repente

Silva o apito    M2
Prendo o grito

Caio no escuro     M1
Atrás do muro

Muro murro morro  corro       M1 M2 e M3

Socorro!       T

Valha-me sino   F1
Perco o tino

Valha-me a luz      F3
Que me conduz

Valha-me a febre   F1
Que redime

Valha-me a paz   F3
Que satisfaz

Valha-me o sal  F1
De todo o mal

Valha-me a planta     F3
Que levanta

Levanta canta santa limpa       TC

Lava-me a água     M1
Dessa mágoa

Lava-me o rio   F1
Tenho frio

Lava-me a fonte    M1
De onde¿ 

Fonte de bem   F1
Que nos convém

Diga-me o nome dessa fonte    M1
Diga-me a ponte desse onde
Onde se esconde¿....

Terra sem mal    F1
Não tem portal

Nem há bola de cristal    F3

Fonte de bem todo mundo tem     T

Se vem de lá    F1
é oxalá   

Se é interna  F3
é eterna 

Quando é sagrado    TC
É amado é alado
Encantado

Se  mora em mim     F1
É eloim

Se vem do amor    M1
É protetor

A ciência da paz é paciência      T

Princípio meio e fim       M2

Vem pra mim    - vem de mim-       assim assim assim         TC

Diga-me o nome dessa fonte     M1
Onde¿ onde¿....

A fonte não se esconde   F1
A fonte se guarda
A fonte responde

A fonte é o pai    M2
Que nunca trai

A fonte é a mãe    F1
Que não se expõe

O pai é espelho de mil faces     M2

A face é mãe sem disfarce       F1

Mil nomes de poder      T
Mil poderes do Ser

A ciência da paz        M1
É paciência é consciência é vivência

No fundo o mundo      F1
Do criador

O vasto mundo    F3
Tão sedutor...

Cria- a-  dor      T
Crise – crime- cromo- cume

Fim do queixume    F1
Acende o lume

Solta o condor     F3
Dissipa a dor

Voa albatroz     T
O mar em nós

A onda cresce no mar     F1
A alma sonha a vagar

O rio morre no mar    F3
A alma passa a sonhar

Passageiro mensageiro      M1
Vai ligeiro sem radar

Duas vidas   F1
Duas bridas

Uma na mão...     F3
Outra no ar

Muda o fundo     M1
Muda o mundo
Profundo

Profeta pronome    F1
Com nome
Sem nome

Que importa¿       T

Que importa   F3
Se não há porta

De dentro se vê o centro     M1
Do mapa fractal

Que organiza a palavra...    TC
E estrutura o destino
Da criatura imortal...